CASCAVEL TEMPO

Soja e milho superam safra passada em volume de comercialização e preço

A safra 2019/2021 de soja em Mato Grosso do Sul que encerrou a colheita em março deste ano, acumulando um recorde de 11,3 milhões de toneladas, está 84,44% comercializada. Já o milho, ainda em desenvolvimento nas fazendas do Estado, concluiu 34,7% da comercialização, ambos estão com volumes comercializados superiores, se comparados com o mesmo período do ano passado.
  • Data de publicação: 13/05/2020

No ciclo anterior, nesta data, o volume comercializado de soja correspondia a 58,82%, um total de 25 pontos percentuais abaixo do atual. Enquanto que o milho sobe dois pontos percentuais sobre a safra passada quando, nessa mesma data, registrava um total de 33,88%. "Mesmo com um volume maior da oleaginosa e com uma expectativa de produção inferior do milho, a demanda pela produção sul-mato-grossense, segue em alta. Isso ocorre tanto pela necessidade do consumo, quanto pela qualidade que os agricultores do Estado destinam aos grãos, eles têm investido no que há de mais moderno e sobretudo, no que é orientado por instituições de pesquisa", destaca o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja/MS), André Dobashi. Além do maior volume a Associação também constata valorização doa grãos. As praças de Chapadão do Sul e São Gabriel do Oeste registraram as maiores altas do mês de abril no mercado interno, com a saca de 60kg cotada em R$ 86. O preço médio, neste período, ficou em R$ 84,70. Comparando com o mesmo mês de 2019, houve avanço nominal de 26,90%, quando a oleaginosa havia sido cotada, em média, a R$ 66,74. O indicador Cepea/Esalq também aponta para uma ligeira valorização de 0,89% entre 27 de abril a 4 de maio de 2020, sinalizando a saca de soja em R$105,66, valor 43,95% maior que no ciclo passado. Quanto ao milho produzido em segunda safra no Mato Grosso do Sul, o preço médio do mês de abril ficou em R$ 42,99 a saca de 60 quilos. No comparativo com abril do ano passado, houve avanço nominal de 60,28%, quando a saca foi cotado a R$ 26,82. Segundo o boletim do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (Siga/MS) no indicador Cepea/Esalq verifica-se também valorização de 1,81% entre 27 de abril a 04 de maio de 2020, sendo cotado a R$ 48,83. No comparativo com o mesmo período de 2019, o avanço nominal foi de 47,03%.

Notícias relacionadas:

Mesmo com a estiagem, safra de grãos no Paraná deve superar 40 milhões de toneladas

IBGE projeta safra recorde com 249 milhões de toneladas e alta de 3,1%

Rotação de cultura é alternativa lucrativa para produtor de grãos

Comentários Comente essa notícia

Nenhum comentário até o momento...

Deixe seu comentário