• Data de publicação: 28/05/2020

TerraMagna facilita crédito para distribuidores anteciparem os seus recebíveis

Serviço permite antecipar contas a receber já no começo da safra, trazendo benefícios para os distribuidores

São José dos Campos, maio de 2020 - Custear a lavoura é uma das partes mais difíceis da safra. É uma fase que requer muito planejamento financeiro, principalmente dos produtores rurais brasileiros que, historicamente, carecem cada vez mais de capital próprio.

Segundo o Ministério da Agricultura, a contratação de crédito rural entre julho de 2019 e abril deste ano, apenas tendo os bancos públicos como fonte, somou R$156,6 bilhões, aumento de 12% em comparação à temporada anterior. E essa é apenas uma parcela do mercado, na qual se acrescentam fontes como bancos privados, cooperativas de crédito e o próprio financiamento das revendas.

Quando os produtores compram seus insumos nas distribuidoras, a moeda de troca acaba sendo a sua própria produção. Eles usam os futuros grãos que vão colher como pagamento a prazo para suas compras, com o acordo sendo formalizado através de uma CPR (Cédula de Produto Rural). Com posse do título, a distribuidora recebe somente no final da safra, ou seja, ela concede a venda de insumos para o produtor, mas só recebe depois.

Buscando uma solução para esse ciclo, a TerraMagna acaba de lançar um novo serviço para conectar os distribuidores ao mercado de capitais, fazendo com que possam receber já no início da safra, no momento da venda. A agrifintech brasileira observou as cinco principais necessidades das distribuidoras:

1. Ter liquidez rápida das contas a receber, convertido em caixa já no começo da safra;
2. Crédito para ser utilizada na compra de qualquer tipo de insumos;
3. Liberdade para comprar os insumos à vista do fornecedor de sua escolha;
4. Transferência de risco de crédito;
5. Melhoria de índices financeiros.

No que consiste o serviço?
As distribuidoras enviam as CPRs que desejam antecipar para TerraMagna por meio de plataforma web. Uma vez recebidas, a TerraMagna analisa seu risco de crédito por meio de seu sistema próprio, que usa inteligência artificial com base em fontes de dados.

A partir das informações levantadas pelo sistema exclusivo, as CPRs são levadas para os investidores do mercado de capitais, que poderão "comprar" esses títulos a taxas justas, adequadas ao risco individual de cada situação. Depois da negociação, o distribuidor endossa os títulos para o investidor e este paga a revenda.

"Nosso objetivo é promover a conexão entre o agronegócio e o mercado de capitais, trazendo uma nova forma de crédito para nossos parceiros distribuidores. Assim, além de terem maior saúde em seus negócios e melhores índices financeiros, eles vendem mais, com o compromisso de crédito ficando entre o produtor e o investidor do mercado de capitais", explica Bernardo Fabiani, CTO da TerraMagna.

Por: Assessoria


Notícias relacionadas:

Paraná fecha o ano com bons indicadores econômicos, sociais e de investimento

Prefeitura, IPMC e autarquias depositam R$ 80,4 milhões aos servidores

Cascavel sanciona lei que traz tratamento diferenciado para empresas locais

Projeto de turismo rural avança em Cascavel

Comentários Comente essa notícia

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.